sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Ortografia


Mais um dia sem linhas escritas nesta minha vida... Quero tanto perceber que tipo de letra usar neste novo livro, qual o tipo de papel e o género de capa! Nunca percebi muito bem este ponto final, gosto tanto de escrever...
Mas preciso de vírgulas e pontos finais...

A essência das coisas...


Contei os meus anos e descobri que vou ter menos tempo para viver
daqui para frente do que aqueles que já vivi até agora [segundo a média]. Sinto-me como aquela
menina que teve uma tigela de cerejas. As primeiras, ela chupou-
as displicente, mas quando percebeu que faltavam poucas, até roeu o caroço. Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.
Não tolero gabarolices. Inquieto-me com invejosos que tentam destruir
quem eles admiram, cobiçando os seus lugares, talentos e sorte. Já não tenho tempo para projectos megalómanos. Não participarei em conferências que estabelecem prazos fixos para
reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem para eventos
de um fim de semana com a proposta de abalar o milénio. Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturas. Não quero ver os ponteiros do relógio a correr veloz ente em reuniões de "confrontação", onde "tiramos factos a limpo". Detesto fazer acareação de desafectos que lutaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral. Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: "as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos". O meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos. Quero a essência, a minha alma tem pressa... Sem muitas cerejas na tijela, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir dos seus tropeções, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge da sua
mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente andar ao lado do Bem. Caminhar perto de coisas e pessoas verdadeiras, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo. O essencial faz a vida valer a pena.