quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Prozac... Oficialmente o meu melhor amigo!





Olá! À quanto tempo... O tempo que se perde sem ser preciso notar. Então e novidades??? Tenho, tenho boas e más, tenho delicias e caramelos, tenho lágrimas e sorrisos. Passa por mim uma fase de apatia, sonoridade escondida e mmmmmmmmmparva.
Há sons do nosso passado que nunca param de assombrar, então porque falo nisso?
Falo porque não falar é sufocar as vozes do espírito, não falar mata as ninfas que circulam na aorta, manter o silêncio atinge qualquer coração magoado.
Fazes-me feliz é verdade, sou feliz quando está por perto, sou feliz quando me abraças. fazes cada minuto parecer o segundo mais veloz, mas isso chega?
Não sei, porque quando vais embora só quero fugir aos gritos, sinto-me presa mas não te quero largar, se calhar é a minha natureza, não sei. Os sentimentos são estranhos e fugidios, magoam sem eu perceber porque. Ontem fui dar a volta dos amores, segui a marginal e senti um arrepio ao passar pelas dunas do areal, senti vontade de me deitar ali e adormecer para sempre, ficar ali petrificada como se de uma estátua se tratasse, como se o tempo fosse parar naquele momento, como se os sonhos em rollback fossem agora realidade.
Estou aonde quero, quando quero com quem quero como quero, será mesmo assim? Será que a escolha é assim tão linear? O excesso de perguntas acumulam-se no meu ser o baralham todos os meus pensamentos, sentidos, alucinações.
Até a queda de uma folha me trás a memória o sabor salgado de uma lágrima... Que turbilhão QUE CONFUSÃO!
Preciso de falar sem cobranças, passear sem destino, comer sem limite, sonhar com vontade!